Skip to content

Projecto: Natal!

19 de Novembro de 2014

Projecto de Natal

O Natal está quase, quase aí e aqui em casa esta altura representa a mais criativa época do ano. E este ano até já vamos atrasados, ou pelo menos parece …

Todos os anos desde 2010 que preparamos, em família (os 4), os presentes de Natal para os avós, tios e primos. O primeiro ano em que isto aconteceu ninguém esperava, todos adoraram! tanto os que receberam como, e principalmente, nós que pusemos mãos à obra! e a partir daí este projecto passou a fazer parte do nosso Natal.

Este nosso presente de Natal não é simplesmente um projecto criativo que serve para ocupar as criancinhas durante algum tempo e encher a família de desenhos, rabiscos e outras manualidades que são muito engraçadinhas, mas não servem para nada… este projecto é pensado e preparado ao longo do ano (dependendo da proposta, mas já houve um ano que começámos em Setembro), o meu objectivo  ao começá-lo foi, aos poucos e poucos e adaptado às idades dos dois, mostrar-lhes a eles, Francisco e Leonor, que por traz das coisas como as conhecemos existe muito que desconhecemos… materiais, processos de produção, capacidade inventiva, etc e que nós podemos fazê-las!

Não imaginam no dia em que lhes disse “hoje vamos fazer sabonetes” as caras deles de impossibilidade… ou no dia em que perceberam que as panquecas também se fazem e não caem do céu, ou mais propriamente na cozinha lá de casa nos pequenos almoços de inverno e que se podem oferecer ainda por fazer… enfim coisas tão simples que transformaram os meus filhos em verdadeiros criadores, de tal forma que a cada ano a ambição deles tem vindo a saltar barreiras e por eles o presente deste ano seria possivelmente um robot que faz a cama, outro para os trabalhos de casa e para a Leonor saía um que lia historias…

O melhor deste presente é que, além de todo ele ser pensado ao mínimo pormenor, desde o conteúdo à embalagem, ele é acompanhado por um “making of” de toda a produção… onde além da explicação dos processos de produção, receitas e dicas também compila todos os contratempos passados, episódios do mais espontâneo que pode haver e comentários deliciosos. Este filme em forma de “presente de Natal” mostra a toda a família o quanto eles crescem ao longo dos anos, os nossos progressos, as nossas dificuldades, o bem que nos sabe aprender a fazer e o quanto gostamos de oferecer o que de melhor temos -> amor!

Acrescentando a isto tudo mostramos todos os anos a nossa árvore de Natal! que todos os anos é diferente e feita por nós… com enfeites reciclados ou reinventados.

Não posso adiantar aqui o que estamos a preparar para este ano, mas hoje deixo-vos algumas imagens e aos poucos vou publicar em pormenor cada ano passado.

Crianças criativas… crianças felizes!

17 de Novembro de 2014

Layout 1– Tia, também quer pintar no meu livro Feliz?

– Está bem Leonor, então a Tia pinta a Cigarra… Mas Leonor, temos um problema, de que cor são as Cigarras?  

– Tia… isso aqui não é importante, este livro é para colorir com as cores que nós gostávamos que as coisas tivessem!

Acredito verdadeiramente que no primeiro ano de vida de um filho uma Mãe é tudo, mas a partir daí e até eles terem asas para voar sozinhos, a Mãe deveria ser uma infindável fonte de inspiração, uma janela para o mundo, uma almofada para as primeiras quedas, uma rampa de lançamento e uma chave que abre a caixa de ferramentas que acompanha cada criança pela vida fora… que abre um compartimento atrás do outro, cada um na devida altura até que eles mesmos os consigam abrir sem a nossa ajuda… ferramentas para vida…

E a partir daqui o meu objectivo é ensiná-los a usar todas as ferramentas que conheço, motivar a curiosidade para que descubram as que desconheço, ajudá-los a acrescentar à caixa todas as ferramentas que esta não traz e que eles precisam … e mais que tudo ensiná-los a ser criativos usando o que têm para que criem novas…

A mais importante de todas as ferramentas, para mim, é a criatividade! Criatividade para superar, para resolver, para transformar … que eu ensino a usar com um objectivo, o que lhes transmito como sendo o meu objectivo de vida e o qual gostaria que também viesse a ser o deles -> SER FELIZ!

Ser feliz e imputar em tudo o que fazemos na vida o nosso cunho, a nossa marca, o nosso empenho… e retirar de tudo na vida (do bom e do mau, do fácil e do difícil, do agradável e do insuportável) “peças” para novas ferramentas.

Não sendo especialista na matéria, mas sendo uma mãe focada na descoberta das mais importantes ferramentas que eu e os meus filhos possamos vir a precisar, acredito que cada criança nasce com um enorme potencial criativo e infelizmente, pelos mais variados motivos e circunstâncias, nem todas têm oportunidade de estimular esse potencial, experienciar a imaginação, por em prática o sonho e testar a suposição!

Acredito que quando as crianças improvisam, quando põem em prática projectos ambiciosos, quando experienciam as suas iniciativas criativas e estas são elogiadas e incentivadas pelos adultos, estas crianças tendem a ser adultos ousados, sem medos, com vontade de testar, de experienciar, propensos a agir de forma inovadora… É este o estímulo que precisa a criança que hoje é apenas criativa e que no futuro será criadora… É esta ferramenta que no futuro será factor diferenciador entre um comum “user” e um curioso “maker”! E também acredito que o inverso acontece…

Tanto uma criança como um adulto, quando as suas acções são valorizadas tendem a criar mais, perdem o medo do novo e o apego ao paradigma, sentem que não estão sob ameaça, de falhar ou de ser ridículo, por exemplo, perdem o medo de inovar e revelam as suas habilidades criativas.

Dias Felizes 2

Acredito que ver a criatividade como habilidade passível de desenvolvimento é um grande passo para o desenvolvimento humano, considero-a inata mas em bruto… comum a todos, não ligada necessariamente à inteligência mas sim alavanca para a motivação e uma ferramenta essencial para a felicidade individual, na medida em que ela permite e potencia o sonho!

Por isto, entre outras coisas, como Mãe, tento motivar a experiência, o contacto com o mundo em cada pequeno pormenor, a participação por principio e a tentativa criativa em cada brinquedo, em cada livro, em cada historia, em cada curiosidade, na escola, na natureza, na duvida e na espectativa…

Este livro ”Dias Felizes” que acompanhou a Leonor todo o fim-semana e que foi participado por quase toda a família, comprámos na feira do livro e é da editora Orfeu, que eu adoro e que podem comprar aqui!

É um livro que desafia o nosso imaginário a cada página, revela e estimula os 5 sentidos… é um livro que é construído de dias felizes, como este Domingo passado em família.

Dias Felizes 1    Dias Felizes 3

 

Arreliada … mas feliz :)

12 de Novembro de 2014

1Rule

Nos últimos tempos não tenho conseguido ir muitas vezes levar e buscar os miúdos à escola, é uma frenética confusão que compensa tanto quanto o bem que lhes faz. Hoje consegui, ou tive que conseguir porque não tinha outra solução… pelo menos que me soubesse tão bem! :)

E lá estavam eles à minha espera, (penso que a julgar pelos últimos tempos, com pouca esperança de que fosse mesmo eu), abraçaram-me com o mais apertado abraço e a Leonor entrou em excitamento.

Entrámos no carro e …  começa a guerra, não fossem eles crianças estoiradas de um dia de escola … a querem transformar-me numa Mãe à beira de um ataque de nervos. Mas eu hoje estava tão contente de os ir buscar e levá-los para casa com tempo para conversarmos, brincarmos e simplesmente estarmos juntos… que estava com muita paciência para gerir aquelas guerras e mediar as chamadas de atenção de parte a parte.

No banco de trás o clima era outro, não sei bem se me queriam mostrar o quanto tenho estado ausente desta rotina de fim de dia, ou se o objectivo era mesmo que saltasse pela janela do carro em andamento e os deixasse em piloto automático…

Mas eu continuava paciente, “vá lá Francisco não faças isso à tua irmã…”, ” Leonor não impliques com ele!”, “sentem-se, encostem-se  atrás e ponham os cintos com deve ser…”, “tirem os pés das minhas costas”, “vá lá não se zanguem!”, ”vá lá…”, “então a Mãe hoje veio buscar-vos e é assim que vocês se portam…” .

Enfim, resumidamente a partir de certo ponto acho que basicamente era como se eu não estivesse ali e mesmo estando surpreendentemente paciente e bem disposta … o meu limite chegou!!

“Basta meninos!” num tom um bocadinho mais eficiente, ou melhor, suficiente para se calarem e eu poder continuar o raspanete, agora com o choro da Leonor como barulho de fundo (muito melhor), “parece impossível o que vocês estão a fazer hoje, nem parece que já são crescidos… blá, blá blá” e terminei com ” agora nem mais uma palavra! … vocês adoram arreliar-me!”

?.’?!”?#?%?!.;’!?

Fez-se silêncio de tanta estupefacção, a Leonor parou de chorar e abriu os olhos o mais que pôde, na duvida se eu teria dito algum palavrão, eu enervada por não ter conseguido fazer a coisa de outra forma, mas furiosa com a cena daqueles dois, também não consegui perceber onde terei ido buscar esta estranha palavra (não sei porquê remeteu-me para a minha infância) e no meio disto o despreocupado Francisco, de sobrancelha franzida, quebra o silêncio, desobediente, e diz:

“Mãe desculpe, só para eu não me esquecer, quando chegarmos a casa a Mãe lembra-me para eu ir ver arreliar ao dicionário?”

Copiadora Profissional!!

9 de Novembro de 2014

copiadoraHoje o dia começou radioso e o sol parecia estar para ficar!

Depois do pequeno almoço com baterias a 100% e cheios de vontade de ir para a rua, correr, brincar, asneirar e tudo mais a que qualquer criança tem direito, assim que pusemos o pé na rua e mesmo antes de nos enfiarmos todos e literalmente dentro do carro… cai uma carga de água daquelas!

Como não somos gente de desistir há primeira dificuldade, mantemos as expectativas e depois de nos considerarmos todos a salvo da chuvada que teimava em bater no vidro de forma a que ninguém se conseguisse ouvir, o Pai Vasco abriu as votações ao programa alternativo… resultado qual foi? entre os mais pequenos foi unanime, “qual é o mal de ir para o parque com chuva? ainda por cima já parou“… e sim tinha parado, mas haviam 2 segundos e o céu só ainda está todo cinzento porque quem manda no céu se esqueceu de o pôr azul!!

Resolvemos a questão transformando o programa inicial em indor, e como graças a Deus estas crianças são fáceis de convencer, fazem a festa com pouco e qualquer coisinha que eu, por magia, saque da minha carteira é exactamente aquilo que precisavam naquele preciso momento … necessidade tal, capaz de se travar naquele exacto momento uma batalha bem fundamentada de argumentos muito válidos e capazes de parte a parte, desta vez saquei da minha carteira o caderno da Leonor e uma caneta. Mas desta vez, estranhamente, não só não houve batalha como houve consenso … ao Francisco e Santiago o caderno não interessou, mas rapidamente encontraram entretém por ali, agora a Leonor, essa pôde dar continuidade a um trabalho que vem a desenvolver nos últimos meses e para o qual já se tornou praticamente profissional –> copiar tudo o que vê, especialmente letras, palavras e até extensos textos!

Mas hoje descobriu um maior potencial, “Mãe descobri que consigo desenhar à vista, tudo o que vejo” , descobriu que consegue desenhar tudo o que vê!!! ou melhor acha que consegue e a cada desenho (produz uma média de 60 desenhos por minuto) faz a pergunta “não vê logo o que é? Diga lá…” e aguarda com o maior sorriso do mundo que eu responda e acerte!!!

copiadora 1

Não só não me deixou tomar café em paz e aproveitar a conversa boa com a minha amiga Carolina, como já estava com pena dela e a achar que estava a desmotivar a criança, pois não estava a acertar uma… “e agora Mãe? não está igual?” e eu sem pistas, olho à volta a tentar encontrar alguma coisa e …”Agora já sei, é aquele símbolo do elevador!“, mas afinal… “Não Mãeeeee… são estes dois senhores que estão aqui na mesa ao lado! não vê logo? ela até tem o telemóvel e está igual!” a olhar para mim, incrédula com um ar misto entre pena e desilusão.

Acabei por lhe dar um texto infindável para copiar, afinal ela adora um bom desafio, pois além de não me estar a deixar aproveitar aquele raro bocadinho com a minha amiga cheguei à conclusão que ninguém é capaz de a desmotivar, pois esta miúda é tão convicta das suas capacidades que nem põe a hipótese de o problema de interpretação estar na sua própria reprodução… ou seja, por outras palavras, a cada falha minha me era atribuído um atestado de incapacidade cada vez maior!

Partners in Crime!

5 de Novembro de 2014

some days...– Leonor, a tua amiga M. é muito gira… tem uns olhos azuis enormes e desenhados… – dizia o D. Juan com os olhinhos a brilhar e um sorriso delicioso.

– Ok! então amanhã levo-a ao quadrado* para tu a veres e conversares com ela! – resolveu rapidamente a casamenteira cá do sitio.

Normalmente o tema recreio é equivalente a queixas. Queixas da Leonor que chora porque o Francisco não lhe liga no recreio, nem a vai ver… queixas do Francisco que diz que a Leonor leva o tempo a chamá-lo e ele, se for, não tem tempo para brincar…

Mas hoje este tema equivaleu a combinações amorosas e cumplicidade entre irmãos…

Fiquei parada a observá-los… como estão crescidos… as conversas… a astucia… típicos “partners in crime!”

*quadrado é o nome dado (pelo menos pelos meus filhos) à zona do recreio do pré-escolar, que tem a forma de um quadrado e em que uma das suas arestas é a fronteira, intransponível, com o recreio do 1ºciclo.

No matter what …

4 de Novembro de 2014

As semanas passam a correr, os dias a voar e as horas, as horas nem sei… entre trabalho, crianças, horários, actividades e outras organizações… lá se vai toda a minha energia!
A vontade é posta em causa a meio da semana e os planos feitos no início desta para o próximo fim‑de‑semana, começam a cair por terra.
Quinta-feira é o dia das desculpas, desculpas que arranjo para mim mesma… Para me enganar, para justificar o meu cansaço e me encher de afazeres importantíssimos que nada mais demonstram que uma enorme preguiça e um gigantesco egoísmo, que me atiram algumas vezes de cabeça para o sofá e me fazem muitas vezes acreditar na impossibilidade da dinâmica e da engenharia organizacional da agenda de uma Mãe!
A semana que passou foi uma dessas… o desafio era grande… 450 km (ida e volta) … malas de 4 … sexta-feira infernal … uma casa cheia de amigos de sempre … crianças x2 …. ou x3 …. mas muito espaço lá fora ….
Lutei até ao fim com as minhas desculpas, o cansaço e borrifei-me na engenharia da agenda… Afinal de contas nunca fui organizada mesmo! Por muito que me esforce…

fds1Foi tão bom! As crianças nem demos por elas…
Pequenos almoços sem horas e com Bolo… As brincadeiras passaram-se na rua e por muito estranho que pareça, com tanta criança junta, não houve queixinhas, nem guerras, nem birras… Até parecia que sabiam bem as tréguas que nos estavam a dar! e que nós soubemos tão bem aproveitar.
A hora de ir para a cama, não sendo rigorosa foi sempre aceite e cumprida… E a nós crescidos coube-nos aproveitar, pôr conversas em dia e abusar das gargalhadas de antigamente!

Inspiração!

31 de Outubro de 2014

Pumpkin

Nunca comemorei o Halloween, nem me lembro da existência deste dia na minha infância e confesso que não acho graça nenhuma a este “Carnaval fora de horas”… ainda por cima com uma temática tão arrepiante.

Mas do Halloween, adoro as Abóboras!

É uma boa oportunidade para pôr as crianças a trabalhar a criatividade e a dar asas à imaginação…